quinta-feira, 18 de julho de 2013

Será que Wolverine: Imortal vai emplacar?

[ por Marcio Brasill ]

Em 2000 quando X-Men, O Filme estreou mostrou ao mundo duas coisas: a primeira que era possível fazer um excelente filme baseado em personagens de Histórias em Quadrinhos, com uma pegada de ficção científica, drama, aventura e abrir margem para algumas discussões filosóficas sempre presentes no relacionamento entre o Professor Xavier e o Magneto. A segunda coisa é que, tal qual nas HQs, o Wolverine era o fodão da vez e que o desconhecido ator Hugh Jackman era o intérprete ideal para o personagem. 

Wolverine: essa foto empolgou
Ele cativou os fãs no primeiro filme, matou a pau no segundo e manteve o nível no terceiro. E aí, veio o filme solo (X-Men Origens: Wolverine), lançado em 2009 e, eita diacho, que filme ruim!! Um roteiro pueril e forçado, onde o que se salva são as interpretações dignas de Hugh Jackman e de Liev Schreiber, o Dentes-de-Sabre.

Foi aí que a Fox anunciou que iria ignorar o filme e lançar Wolverine: Imortal que, supostamente, seria baseado na excelente HQ dos anos 80 intitulada Eu, Wolverine, escrita por Chris Claremont e desenhada por Frank Miller, que acompanha o mutante no Japão numa luta por amor e por honra. Só a ideia em si parecia boa. E a empolgação de Hugh Jackman a cada entrevista sobre a nova produção sempre era cativante. A escolha do diretor, James Mangold, foi um atestado de fé. O cara é versátil e é bom (vide Os Indomáveis, Johnny & June). As primeiras fotos divulgadas potencializaram a curiosidade dos fãs. Até que vieram os trailers...

E essa já deixou dúvidas sobre a produção
 Vilões estilizados, roupas coloridas, brigas coreografadinhas, luta em cima de um trem (no estilo 007 ou Missão Impossível) e uma suspeita participação da Jean Grey mostraram que, ao contrário do tinha sido prometido, o longa não seria fiel à fonte original. Coisas do estúdio Fox, claro, que já tinha feito o 'favor' de inserir mutantes demais no primeiro filme do Wolverine, como Deadpool e Gambit, muito mal aproveitados tanto pelo roteiro, quanto por seu visual em si.

E agora? Wolverine: Imortal será capaz de deixar uma boa impressão e garantir uma sequência ou o herói precisa de seu fator de cura para apenas seguir adiante nas outras franquias X?

Talvez percebendo que o seu adamantium poderá ser o mais fraco na luta pela bilheteria com os metais (Homem de) Ferro e (Homem de) Aço, Hugh Jackman já deu a dica: seu novo filme terá uma ligação pós-crédito direta com X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, que estreia em 2014. Sinal de que a franquia solo do Wolverine poderá não ser tão imortal assim?
Postar um comentário