domingo, 7 de julho de 2013

Bryan Singer: de olho no Futuro Esquecido

[ por Marcio Brasil ]

Em 1999, antes do primeiro X-Men estrear nos cinemas, ninguém sabia o que esperar do filme. Curiosidade e temor eram sentimentos comuns entre os fãs de HQ, tão acostumados a ver seus personagens preferidos serem retratados de maneira errada nas telas. Naquela época, a internet não era tão difundida e não existiam redes sociais populares. Por isso mesmo, pouco se sabia sobre a produção e o diretor Bryan Singer não fazia tanta questão de mostrar. Até porque, a primeira resposta que teve com o público foi negativa ao divulgar o elenco do filme. Muitos reclamaram que Ian McKellen era velho demais para ser o Magneto, que Hugh Jackman era alto demais para ser o Wolverine ou que o restante do elenco de desconhecidos não tinha nada a ver com os personagens (o único que se escapou das críticas foi Patrick Stewart- velho conhecido dos nerds graças a Star Trek- considerado ideal para ser o professor X).
Pois bem. X-Men estreou e foi um sucesso: custou 75 milhões e rendeu quase 300 milhões de dólares nas bilheterias mundiais; o criticado elenco passou a receber muitos elogios; deu um novo status às adaptações de HQ para o cinema, que passaram a ser mais caprichadas e Bryan Singer caiu nas graças do público. Em sua produção seguinte, manteve a estratégia de não revelar muito durante as filmagens e fez de X-Men 2 um sucesso maior ainda, com mais de U$ 400 milhões.

No entanto, em suas superproduções seguintes, Singer não conseguiu superar suas marcas, diminuindo os resultados nas bilheterias a cada nova produção: Superman Returns custou U $270 milhões e lucrou U$391,081,192 e Jack, o Caçador de Gigantes, recuperou só 2 milhões a mais do que o seu custo, que foi de U$ 195 milhões. (A exceção é Operação Walkíria, um filme que custou 75 milhões e lucrou três vezes mais).

Ou seja, Bryan Singer está precisando de um sucesso nas bilheterias. Mais do que isso: ele parece estar querendo ter esse sucesso em seu currículo. Pelo menos, é o que parece pelo fato de ter abraçado as redes sociais (especialmente o Twitter), de maneira tão aberta. 

O Bryan Singer versão 2013 está revelando cada passo de seu retorno à cadeira de diretor na franquia X-Men (ele tinha sido escritor e produtor de X-Men: Primeira Classe). O novo filme terá o subtítulo de Dias de Um Futuro Esquecido, indicando que deve se basear numa famosa HQ dos anos 80, que trata de viagens no tempo. A premissa é uma oportunidade de ouro para fazer um crossover entre o elenco da primeira franquia (Hugh Jackman, Ian Mckellen, Patrick Stewart), com o atual (Michael Fassbender, James McCavoy, Jennifer Lawrence).

Desde o indicativo da história, a escalação dos atores, as locações, os figurinos, cenários e muito mais, têm sido revelados via Twitter pelo diretor Bryan Singer. E se, aos poucos ele vai saciando a curiosidade dos fãs e aumentando a expectativa em torno do filme (que estreia no próximo ano), com cada novo detalhe divulgado, também está mantendo controle absoluto sobre a trama e os personagens que estarão nela e como tudo vai funcionar. E, assim, o diretor nos conta muito, sem revelar nada- a não ser o desejo de fazer muito sucesso com o filme. 

Mas e quem aí não está louco para embarcar numa viagem no tempo e parar lá em 2014 para conferir X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido? Que o sucesso de Bryan Singer seja o sucesso de mais uma HQ no cinema.
Postar um comentário